sábado, 31 de agosto de 2019

VÍDEO: Irmãs universitárias fazem apelo emocionante na Tribuna da Câmara de Vereadores pela implantação de energia elétrica na residência dos seus pais residentes na zona rural de Inhapi.


“Não temos o prazer de ler um livro à noite porque em nossa casa não tem energia, estudamos a luz de velas e em uma determinada noite um incêndio por pouco não nos custou à vida” – Disseram as irmãs em uma carta lida na Tribuna do Poder Legislativo Inhapiense.
Por: Redação

Parece inacreditável, mas em pleno século XXI, uma família de 06 pessoas residentes na Zona rural de Inhapi, mais precisamente no Sítio Batata, ainda aguarda a chegada da energia elétrica em sua residência, em especial, duas jovens irmãs universitárias Diana e Catarina de 21 e 23 anos respectivamente, que na noite desta sexta-feira (30) fizeram uso da Tribuna da Câmara Municipal de Vereadores a fazer um apelo emocionante pela implantação de energia elétrica na residência dos seus pais onde moram e de onde se deslocam até Santana do Ipanema como estudantes do 7º período do curso de pedagogia.

“Não temos o prazer de ler um livro à noite porque em nossa casa não tem energia, estudamos a luz de velas e em uma determinada noite um incêndio por pouco não nos custou à vida” – Disseram as irmãs em uma carta lida na Tribuna do Poder Legislativo Inhapiense.


Diana e Catarina falaram ainda das dificuldades que enfrentam para estudar através da internet, uma vez que o curso é EAD (à distância) se fazendo necessário responder as atividades e avaliações na plataforma de ensino, o que as obriga a se utilizar de Lan house para não prejudicar seus estudos.

Ao que se aproximavam para o final da leitura da carta, as irmãs universitárias ainda puderam dá uma aula de cidadania aos vereadores e ao público presente, esclarecendo que vieram a Câmara não para pedir “favor político” aos vereadores, uma vez que entendem o que de fato é o trabalho de um vereador, mas que ali estavam para pedir que os nobres parlamentares acionem os poderes públicos necessários apelando para que seja garantido pelo menos o direito a educação, afinal de contas, como estudar no escuro? - Questionou as jovens que fizeram questão de deixar claro que não aceitam a argumentação de que seus pais devem arcar com toda a despesa para a chegada da eletricidade até sua residência, até porque sequer condições financeiras para isso os mesmos possuem.

Após o pronunciamento das jovens, o presidente da Câmara Municipal Wellington Morcego, se comprometeu a tomar a frente do problema em busca de uma solução em conjunto com os demais vereadores presentes.