quarta-feira, 15 de abril de 2015

Escola Municipal em Inhapi manda alunos mais cedo pra casa por atos de vandalismo.

Direção e Professores já não sabem mais que providencias adotar para garantir a paz na escola e o direito à educação dos que querem estudar.

Por: Redação Créditos: Central do Sertão
Lousas danificadas, birôs e pelo menos duzentas carteiras escolares quebradas, essa é a situação absurda em que se encontra a Escola Municipal Nossa Senhora do Rosário, localizada próxima a Avenida Pompilio Brandão em Inhapi.

A escola é de Ensino Fundamental, mas apesar disso, um grupo de jovens entre 14 e 16 anos, alunos da referida instituição de ensino tocam o terror dentro e fora de suas dependências no período noturno. O grupo e acusado por direção e professores de promover as mais absurdas cenas de desrespeito e vandalismo, que além dos atos já mencionados no inicio desta matéria, vão de ameaças verbais a professores, alunos e funcionários em geral, a ameaça de morte de um aluno armado com uma faca contra um professor.

A situação é tão absurda que até mesmo quando o grupo não comparece as aulas é ainda pior, pois fazem questão de dizer aos pais, que vão à escola, mas na verdade ficam aprontando por trás dos muros, fumando maconha, soltando animais nas salas de aulas, jogando pedras por cima da escola e fazendo algazarra na entrada, a exemplo de dois episódios envolvendo um dos membros do grupo que num dia invadiu a escola em uma motocicleta e no outro com um cavalo tentou invadir novamente, só que desta vez foi impedido pelo vigia que rapidamente fechou as portas, o que não impediu que o mesmo permanecesse no local batendo com o chicote no portão.

De acordo com a direção escolar, os pais desses alunos são chamados frequentemente a escola, mas dificilmente comparecerem, já a polícia sempre que chamada alega que nada pode fazer, pois quando não é a viatura que está quebrada, sempre que rondam pela escola os adolescentes já não estão mais lá.

Preocupado com a segurança da comunidade escolar, o prefeito José Cícero Vieira chegou a aumentar o muro da escola mesmo assim  o vandalismo continuou de forma assustadora, o estopim, foi na noite desta terça-feira (14) quando a direção resolveu liberar os alunos mais cedo para avaliar o prejuízo após mais uma sessão de vandalismo, que resultou na destruição de parte do patrimônio escolar.

Sem saber o que fazer com os alunos envolvidos em tais práticas a direção optou pela transferência de turno, mas na primeira transferência se viu impedida de tomar tal decisão visto que os pais de um dos alunos procurou o Conselho Tutelar para segundo eles garantir o direito do filho de trabalhar pelo dia em um abatedor de frangos.

Apesar da decisão dos conselheiros ter sido favorável ao aluno, de acordo com um dos professores, o comportamento do mesmo melhorou significativamente, no entanto, a escola se viu impedida de transferir qualquer outro aluno do grupo que esteja trabalhando.

Diante de tantos problemas apresentados, o futuro do turno da noite da Escola Municipal Nossa Senhora do Rosário é preocupante, a expectativa de melhora é a mínima possível e o que impera mesmo não é a excelência de ensino, mais o medo entre toda comunidade escolar.