quarta-feira, 29 de julho de 2020

Sem Hélio Brandão e com a suposta inelegibilidade do prefeito Erivaldo Mandu, Mata Grande fica sem pré-candidatos a prefeito.


Prefeito contraria advogado ligado a oposição e diz que vai à reeleição, pois não teria assinado nenhuma documentação de posse como prefeito interino quando era vice-prefeito.

Por: Redação
Crédito: Google Imagens

As movimentações políticas em Mata Grande no alto sertão alagoano não param. Após o luto pela morte do ex-prefeito Hélio Brandão ocorrida nesta terça-feira (28), até então, principal e único adversário político do prefeito Erivaldo Mandu, as negociações nos bastidores da política matagrandenses estão voltando a todo vapor, a grande pergunta agora no grupo de oposição é: Quem irá substituir Hélio Brandão? Por enquanto ainda não há resposta, contudo, para um ala do bloco de oposição a liderança deve continuar no seio da família Brandão, onde se cogita inclusive o nome de um dos filhos de HB que não é nem Júlio (ex-presidente da Câmara de Vereadores) e muito menos o ex-prefeito Jacob, já a outra ala do bloco revive a possibilidade da volta de Luiz Pedro para a disputa.

Já do lado do governo ainda não se trabalha com a possibilidade de Mandu não disputar a “reeleição”, apesar dos pesares envolvendo a suposta inelegibilidade do mesmo em decorrência de uma suposta posse como prefeito interino do município durante a gestão do ex-prefeito Jacob Brandão quando a época era vice-prefeito, o que configuraria um primeiro mandato, impedindo assim um terceiro mandato já que Mandu foi eleito ou reeleito, o que nesta segunda hipótese, é vedado pela Constituição Federal.

Segundo aliados, Mandu vai à reeleição, pois não teria assinado nenhuma documentação que comprove a suposta posse, pois simplesmente não houve posse, tanto é que se quer a própria Câmara Municipal de Vereadores diz não ter conhecimento.