quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Sesau conhece projeto de cartilha para prevenir o câncer bucal em Alagoas

Trabalho foi realizado no PAM Salgadinho por professora do Centro Universitário Cesmac

Dados revelam que o câncer de boca afeta principalmente pessoas a partir dos 50 anos e, geralmente, quando é detectado, já se encontra em estado avançado, levando à morte em apenas um ano. Os fatores que mais contribuem são o tabagismo, falta de higiene bucal, além da alimentação.

Baseado nessa estatística, a Secretaria de Estado da Saúde (Sesau) promoveu apresentação do projeto voltado para a prevenção do câncer de boca, de autoria da professora do Centro Universitário Cesmac Sônia Ferreira, durante a III Oficina Científica. O evento foi coordenado pela Gerência de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Socorro Ferreira informou que a maioria dos casos ocorre no interior do Estado e afeta principalmente os homens.

Durante sua exposição, a professora disse que o projeto foi realizado no PAM Salgadinho, onde analfabetos e analfabetos funcionais participaram de uma campanha de rastreamento de câncer de boca, através de oficinas lúdicas. No período da ação, as pessoas desenhavam o que entendiam por câncer bucal, como deveria ser feito o tratamento e a prevenção. O resultado desse trabalho foi uma cartilha e calendário, que tiveram uma procura surpreendente.

A proposta da professora é fazer uma reedição da cartilha e do calendário para conscientizar as pessoas sobre a necessidade da prevenção. A ideia é que seja trabalhada em conjunto com a Atenção Básica e com os educadores, que podem desenvolver tarefas com os estudantes que serão multiplicadores em seu lar e sua comunidade.

A gerente de Ciência e Tecnologia da Sesau, Fátima Lima, afirmou que a apresentação do projeto, realizado através do Programa Pesquisa para o SUS (PPSUS).

A ação visa aproximar a pesquisa dos serviços de saúde. Com isso, serão realizados encontros voltados para discussão sobre como aplicar de forma prática os ensinamentos nas unidades de saúde e no Programa Saúde na Escola (PSE).

Fonte: Agência Alagoas

Nenhum comentário:

Postar um comentário