quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

Projeto Social desenvolvido pelo Pastor Marcelo Gomes em parceria com a empresa Mamô Brasil distribui mais de uma tonelada de alimentos, roupas e brinquedos em Inhapi.

Além da cidade, pelo menos mais 04 comunidades rurais foram beneficiadas pela ação solidária neste natal.

Por: Redação
Créditos: Natécio Fagner/CS

Um Natal bem mais feliz, assim foi o natal de centenas de adultos e crianças do município de Inhapi no alto sertão de Alagoas, graças à iniciativa de pessoas comprometidas com a solidariedade e o amor ao próximo, como é o caso do Pastor Marcelo Gomes, Inhapiense residente em São Paulo que todos os anos volta a sua terra natal promovendo alegria e estimulando a solidariedade para com seus conterrâneos, em especial as famílias mais carentes do seu município.

E assim como todos os anos, este ano não foi diferente, só que desta vez graças à parceria com uma empresa de Moda Feminina a Mamô Brasil e o coração generoso de seus proprietários, o casal Francisco Paiva e Juliana Paiva, o Pr. Marcelo Gomes conseguiu ampliar o número de famílias beneficiadas com a distribuição de mais 1 tonelada e meia de alimentos, 400 peças de roupa e 600 brinquedos para a criançada da cidade de Inhapi e de pelo menos outras 04 comunidades; (Balde, Caiana, Rafael e Canoa).

A ação solidária contou ainda com o apoio do editor geral do site Central do Sertão Natécio Fagner, irmão do Pr. Marcelo, além das agentes de endemias, Zefinha e Sineide que não mediram esforços para levar um pouco mais de alegria a quem tanto precisa.

“Amar ao próximo como a nós mesmo talvez seja impossível, sobretudo, pelo quanto somos falhos e pecadores, por isso, minha meta é SERVIR, algo bem mais possível, que nos serve de base para de certa forma fazermos a vontade de Deus, afinal de contas, o SERVIR se baseia na renuncia particular em detrimento das causas coletivas, nos faz refletir até que ponto estamos dispostos a renunciar vantagens individuais por lutas coletivas, ainda que estas lutas resultem em conquistas ou fracassos”

(da Obra IndignAÇÃO - Marcio Martins)