03/01/22

Morre idosa que teve transferência recusada pelo Hospital Chama onde fazia tratamento contra o câncer.

 

Após a repercussão do caso, Dona Juraci que estava internada no Hospital Regional de Santana do Ipanema há 06 dias a espera de uma cirurgia de desobstrução intestinal chegou a ser operada no próprio hospital, mas acabou não resistindo.

Por: Redação

Faleceu nesta Segunda-feira (03), a idosa Juraci Beserra Guerra de 68 anos, após 06 dias, desde o dia 28/12/2021 internada no Hospital Regional Clodoaldo Rodrigues em Santana do Ipanema, onde aguardava transferência para o Hospital Chama em Arapiraca que segundo familiares se recusou a receber a idosa apesar da mesma ser paciente do setor de oncologia do Hospital onde fazia tratamento de saúde contra um câncer de colo do útero. 

O caso foi divulgado com exclusividade aqui no site Central do Sertão neste Sábado (01) [relembre aqui], onde nossa equipe de redação chegou a conversar com a Assistente Social do Hospital Chama, a qual confirmou o que já havia dito a família, ou seja, que o Hospital não tinha leito para receber a paciente e nem o médico especialista para realização do procedimento cirúrgico, uma cirurgia de desobstrução intestinal, disse ainda, que somente o setor de oncologia poderia responder pela paciente, mas que estava fechado.

Após a repercussão do caso, Dona Juraci que segundo a direção do Hospital Regional de Santana do Ipanema não teria condições de ser operada onde estava internada e que por esse motivo aguardava transferência para o Hospital Chama em Arapiraca, de onde era paciente da oncologia, no dia seguinte a publicação da matéria, as 15h do Domingo (03), Dona Juraci foi para a sala de cirurgia do próprio Hospital onde estava internada há 06 dias e que alegava não ter condições de realizar o procedimento cirúrgico. Dona Juraci sobreviveu a cirurgia, mas teve complicações foi para a UTI e acabou falecendo horas depois. 

Para a família, ficou o sentimento da irreparável  perda, mas também de revolta e indignação já que o atraso na realização da cirurgia foi determinante para o agravamento do seu estado de saúde. 

Já para a nossa equipe de redação que desde o início se sensibilizou com o caso e a dor da família, ficaram as perguntas: 

1 - Quanto vale uma vida? Afinal, o mesmo Hospital (O CHAMA) que se recusou a receber sua própria paciente do setor de oncologia, disse a família que a receberia particular, apesar de não garantir a realização da cirurgia.

2 - Por que o mesmo Hospital (Clodoaldo Rodrigues) que ficou com a paciente internada por 06 dias alegando que não teria condições de realizar a cirurgia, acabou realizando somente após a repercussão do caso, quando o estado de saúde da paciente já havia se agravado?


Com a palavra, o senhor Governador do Estado de Alagoas Renan Filho e o Secretário de Estado da Saúde, o Sr. Alexandre Aires...