quinta-feira, 21 de maio de 2020

Pacotes com máscaras de tecido são armazenados no chão em depósito da Prefeitura de Canapi expostos a poeira e bactérias.


Especialista em gestão em saúde orienta usuários a fazerem uso somente após o processo de higienização já que o flagrante armazenamento em local inapropriado pode ter ocasionado a contaminação das máscaras.

Por: Redação
Crédito: Central do Sertão

- A máscara deve estar limpa antes do uso;
- O uso deve ser individual;
- É indicado lavar bem as mãos com água e sabão antes e depois de manusear o equipamento de proteção, colocar no rosto ainda dentro de casa e não o tocar enquanto estiver na rua;
- Se precisar mexer ou ajustar fazer pelos elásticos ou amarração;
- Não usar por mais de 2 horas e trocar se estiver úmida;
- Ao chegar em casa lave as mãos com água e sabão antes de retirar a máscara;
- Remova pelos elásticos ou amarração e evite tocar no tecido de proteção porque pode estar contaminado;
- Lave novamente as mãos e coloque a máscara para lavar o mais rapidamente possível, separadamente de outras roupas;
- Após a secagem, é recomendável passar com ferro quente e guardá-la em local limpo e seco.

Estas são as principais recomendações das autoridades de saúde para o uso e manuseio de máscaras de tecido pela população, porém, quando o assunto é a gestão desses equipamentos de proteção individual (EPIs), a Prefeitura Municipal de Canapi tem ido na contra mão de todos esses cuidados de higiene.

Uma foto enviada a nossa equipe de redação por um dos nossos leitores do município de Canapi nesta quarta-feira (20) mostra pelo menos 04 pacotes, aparentemente com mil máscaras de tecido cada, armazenados de forma irregular no chão de um depósito alugado pela Prefeitura. Na imagem também é possível observar que apenas um pedaço de papelão foi colocado por baixo dos pacotes, porém, pegando apenas metade do pacote, além disso, um dos pacotes teria sido aberto, acredita-se que para conferência.

Nossa equipe de redação ouviu um especialista em gestão em saúde que atua a frente da vigilância epidemiológica do Alto sertão de Alagoas para que comentasse sobre a forma de armazenamento das máscaras e o mesmo foi categórico ao afirmar que o local realmente é inapropriado e que o fato dos pacotes estarem exposto ao chão inclusive com uma das embalagens abertas expostas a poeira e bactérias, pode ter ocasionado a contaminação, mas, que, porém, isso não quer dizer que as máscaras não poderão ser utilizadas pela população e ou pelos profissionais de saúde, desde que adotadas as devidas orientações de higienização antes do uso.