segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Políticos do Sertão sugam cofres públicos com "super salários" e farra de aposentadorias.

Google Imagens
Folha de pagamento divulgada pela Assembleia legislativa de Alagoas (ALE) revela nomes e valores recebidos.
  
Você já deve ter se perguntado quanto ganha os políticos de sua cidade ou região, mas essas informações não são tão acessíveis a todos ou pelo menos não eram, principalmente ao cidadão menos esclarecido. Foi diante desse argumento e baseado no escândalo que envolve a folha de pagamento da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) que o Minuto Sertão realizou um levantamento para tentar preencher essa lacuna, utilizando como referência o Sertão do estado.
Durante as pesquisas, nossa equipe de reportagem encontrou nomes de famílias tradicionais dessa região que se destacam nas folhas de pagamento dos principais órgão públicos estadual e até federal. Os Torres, Malta, Costa, Brandão, Ferreira, Dantas, Tenório e Vieira, alguns deles compostos um pelo outro, são os principais sobrenomes que comandam ou já comandaram municípios sertanejos e ganham uma fortuna oriunda do erário.
O caso que mais chamou a atenção foi o do ex-prefeito de Água Branca, o idoso Roberto Villar Torres, 75, que recebe duas vezes da ALE, sendo R$ 4.672,21 referente à aposentadoria pelo Instituto de Previdência dos Deputados Estaduais de Alagoas (IPDEAL) e R$ 6.052,84, também de aposento, porém como procurador. Esses são valores líquidos que foram divulgados na extensa e pouco detalhada folha de pagamento da Casa de Tavares Bastos.
E não para por aí, o ancião dos cofres públicos também recebe R$ 17.632,72, como conselheiro aposentado do Tribunal de Contas (TCE/AL) e R$ 6.075,93 de aposentadoria parlamentar da Câmara dos Deputados, onde assumiu vaga por dois mandatos.
Somando a dinheirama privilegiada que ganha, se calculados apenas os valores líquidos, o líder dos Torres recebe por mês R$ 34.433,70, quantia que se não incluir os décimos terceiro chega a R$ 413.204,40 por ano.
Um cidadão comum, ganhando R$ 678,00, valor que equivale ao salário mínimo bruto, precisaria de pelo menos quatro anos para conseguir juntar o montante que o “velhinho” ganha por mês.
O império nas finanças públicas continua com a diretora do hospital de Água Branca, Isabel Cristina Torres de Souza Leite, filha de Roberto Torres, que além de assumir o cargo público estadual, aparece na lista de comissionados da Assembleia, ganhando R$ 3.670,36, situação que não deixa claro como a referida consegue executar as duas funções, já que somente pode ser vista cumprindo uma delas e legalmente não está aposentada em nenhuma.
Outra pessoas da mesma família que também recebe depósito da ALE é Virginia de Sá Torres Souza, sobrinha de Roberto Torres, que recebe R$ 3.040,85, valor líquido.
Outros ex-prefeitos que também tiveram seus nomes impressos na folha de pagamento do Legislativo Estadual foram Oberdan Tenório Brandão, o Bel de Inhapi, que recebe R$ 4.620,85 e Wellington Damasceno Freitas, conhecido politicamente como “Xêpa”, de Olho D’água do Casado, agraciado com R$ 1.226,10.
Ex-deputados sertanejos também aparecem na lista da Assembleia Legislativa. É o caso de César Eustáquio Malta Amaral, o César Malta, que embolsa R$ 4.443,46, como funcionário efetivo, e R$ 2.483,36 de aposentadoria pelo IPDEAL. Laércio Malta Brandao recebe dois aposentos, um de R$ 9.357,43 e outro de R$ 4.672,21, este último concedido pelo IPDEAL. Eraldo Malta Brandão Filho aparece na folha recebendo R$ 3.148,51. Os três citados são naturais da cidade de Mata Grande.
O atual prefeito de Batalha, Aloisio Rodrigues de Melo (PMDB) também tem o nome listado na folha, ganhando R$ 4.109,61. O ex-vereador por Água Branca José Paulo dos Santos, o “Paulo Zuza”, se destacada com o supersalário que recebe, são R$ 7.210,97.
Conforme a folha competente ao mês de agosto desse ano, nem todos os sertanejos que já foram deputado em Alagoas recebem uma ou mais aposentadorias da ALE, como é o caso do prefeito de Canapi, Celso Luiz Tenório Brandão (PMDB), que chegou a presidir a Casa de Tavares Bastos, assim como a vice-prefeita de Delmiro Gouveia, Eliziane Ferreira Costa, a Ziane Costa (PMDB), que já foi deputada por dois mandatos.
Da mesma forma não aparecem como beneficiários os ex-deputados Marcos Antônio Ferreira Nunes (Santana do Ipanema) e Washington Luiz Damasceno Freitas (Piranhas), atualmente desembargador do Tribunal de Justiça (TJ/AL).
Ampliando ainda amais nossa pesquisa, verificamos que o ex-governador de Alagoas Geraldo Bulhões Barros, 75, que já foi deputado federal por cinco mandatos, ganha por mês R$ 16.059,52, por aposentadoria parlamentar. Seu irmão, Isnaldo Bulhões Barros, ex-prefeito de Santana do Ipanema e ex-conselheiro do Tribunal de Constas, recebe R$ 17.632,72 de aposentadoria do TCE.
Para quem tem dúvida de quanto ganha os deputados que são genuinamente sertanejos, a famosa folha de pagamento da Assembleia Legislativa revela. Luiz Dantas Lima (Batalha) ganha R$ 14.989,60, Inácio Loiola Damasceno Freitas (Piranhas) R$ 11.594,15 e Isnaldo Bulhões Barro Júnior, o Isnaldinho (Santana do Ipanema), recebe R$ 16.059,52.
Cientes desses dados financeiros, resta-nos saber como fazem para trabalhar essas pessoas que ganham uma “nota preta” dos cofres públicos, já que boa parte dos listados, exceto os com aposentadorias, nunca teriam sido vistos executando funções naquele Legislativo Estadual, nem sequer realizando alguma atividade que justifique o salário.
O intrigante é que grande maioria dos nomes aqui citados são vistos com muita frequência em suas cidades mantendo vida de marajás, com mansões, carrões e derramamento de dinheiro, inclusive alguns deles estariam até usando notas de R$ 100,00 como guardanapo em suas farras regadas a uísque.
Durante a realização desse levantamento, tentamos obter informações sobre os subsídios dos prefeitos e vereadores da região, mas o máximo que conseguimos foram contatos não respondidos.
As prefeituras e legislativos municiapais que se preocuparam em manter um site na internet, ainda não se adequaram à Lei da Transparência que determina a publicação, em meio eletrônico de acesso público, das informações sobre a execução orçamentária e financeira dos entes federados.
Mesmo assim, apuramos que em Piranhas o prefeito Dante Alighieri Salatiel de Alencar Bezerra de Menezes, o Doutor Dante, teria salário de R$ 10.000,00, o vice-prefeito R$ 7.000,00 e o secretariado R$ 5.000,00. Em Santana do Ipanema, o salário do prefeito José Mario da Silva, o Mário Silva, seria de R$ 20.000,00, o vice-prefeito R$ 12.000,00 e o secretariado R$ 7.000,00.
O Sertão tem mais de 20 cidades e poucas delas têm site oficial em funcionamento, já as que têm, alguns ainda estão com dados da gestão anterior e não oferecem serviços online aos usuários.
Quase todos os municípios sertanejos não divulgam suas folhas de pagamento, muito menos o salário do gestor, inclusive o histórico de reajuste nos últimos tempos. Já as Câmaras de vereadores, aquelas que são manipuladas pelos prefeitos, ao invés fiscalizar as ações do executivo, se omitem.
Enquanto isso, segue sofrendo e amargando as escolhas políticas de seu povo, a região de onde saíram os governadores Geraldo Bulhões, Euclides Vieira Malta e Joaquim Paulo Vieira Malta, além de vários deputados estaduais e federais e dois senadores da república.
Por: Minuto Sertão
Baixe a folha de pagamento da ALE: AQUI

Nenhum comentário:

Postar um comentário