segunda-feira, 21 de outubro de 2019

Em Piranhas, prefeita candidata tenta se reinventar

Fonte Google Imagem

Numa pura manobra que visa apenas reconquistar seus eleitores, em sua maioria decepcionados com as pífias administrações, prefeitos-candidatos em várias cidades do Sertão ressurgem em seus abandonados redutos com promessas – aqui pra nós – no mínimo, imorais.

São anúncios de concursos, inaugurações de obras que se arrastam desde o primeiro dia que assumiram, assinaturas de ordens de serviço e até festa para inaugurar novas pinturas de pedaços de muros.

Campanha antecipada? Pode ser. Calados, os representantes do Ministério Público – responsáveis por denunciar a baderna – surpreendem os mais incrédulos por nada fazerem. Faltam provas do desfrute.

Em Piranhas, a prefeita Maristela (PP), eleita com 6.921 votos, tem se ocupado ao longo de seu mandato de ”esquecer” a maioria de suas promessas de campanha. No Distrito Piau, uma das mais prósperas localidades do município, a população até hoje espera o novo local da feira livre, a reforma da abandonada praça em frente à igreja, que nem bancos existem, a troca das lâmpadas queimadas nos postes, a melhoria da merenda dos alunos cansados de “saborearem” bolacha com suco e a contratação de professores de inglês.

No lugar do que é certo, a administração “enfrenta” a população com – no apagar das luzes” – a inauguração de uma praça no bairro Piaozinho, com a pintura de salas e muros de algumas escolas, a inauguração a “toque de caixa” da nova entrada do posto de saúde, a troca dos nomes de prédios públicos por de parentes da prefeita e, agora, a pintura do ginásio de esportes sob a versão de reforma e revitalização.

Desgastada politicamente, Maristela vai às urnas no próximo ano disputar mais uma vez, voto a voto, com a família Damasceno Freitas, que promete inovar com uma chapa de “gosto popular”.

A prefeita, acusada de virar as costas para os servidores municipais e “enterrar” o Forrogaço, tem estampado um largo sorriso, anunciando que em breve irá promover um concurso público e dará o “pontapé” para construção de uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) no Piau.

Entre o correto e o “ajeita” a prefeita adotou a segunda opção como critério para montar sua equipe de secretários e ajudantes e, agora, faltando um ano para as eleições municipais, tenta se reinventar.

Por Jairo Ribeiro
Fonte Correio Notícia