quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Idosa de 114 anos sonha encontrar filhas deixadas em Alagoas

Com a saúde frágil, ela conta a um site do Paraná que precisou fugir do marido em União dos Palmares, em 1966
Foto: Umuarama Ilustrado
Filomena Maria da Conceição, 114 anos, passa o dia sentada em uma cadeira de área, em Douradina (PR), enrolada em uma coberta e, sonhando em reencontrar duas filhas deixadas, há 59 anos, em União dos Palmares.

A supercentenária, denominação dada às pessoas com mais de 110 anos, lembra pouco da infância, no entanto, o que não consegue apagar da memória foram os anos de sofrimento diante do marido, a quem a tinha como propriedade ainda desde os 15 anos.

Filomena diz que se estava difícil em Alagoas, no Paraná tudo piorou. Como boia-fria sustentou os quatro filhos que a acompanhou. “Muito sofrimento, trabalho duro de sol a sol para viver”, observa.

“Sempre trabalhei na lavoura, apanhava de meu marido e não aguentava viver com meus seis filhos naquela miséria. Meu marido tinha outra mulher, então aceitei o convite de um irmão para vir ao Paraná em 1966”, lembra, com auxílio da filha Tereza Filomena dos Santos, 68 anos.

Iletrada e com a memória confusa, Filomena nada sabe sobre a importância histórica de sua cidade de origem. “A única coisa que quero é reencontrar Maria e Josemilda, as duas filhas que tive que deixar em Alagoas”, emociona-se.
 
Fonte:Do Todo Segundo

Com informações do Umuarama Ilustrado

Nenhum comentário:

Postar um comentário