quarta-feira, 9 de dezembro de 2020

Servidores lotam Assembléia Geral do SINDSCAN e aprovam representação judicial contra a prefeitura de Canapi por retirada do desconto em folha da mensalidade sindical.

"Se o dinheiro é nosso, nós que devemos decidir se queremos ou não que seja descontado em folha e não o prefeito e os vereadores" - Criticaram os servidores.

Por: Redação com Assessoria / Crédito: Assessoria/SINDSCAN

O prefeito Vinícius Lima deve ser alvo nos próximos dias de uma ação judicial movida pelo SINDSCAN - Sindicato dos Servidores Públicos de Canapi contra a aprovação de um projeto de lei de sua autoria aprovado por unanimidade na Câmara de Vereadores que acabou com o desconto automático em folha de pagamento da mensalidade sindical dos servidores públicos municipais.

A decisão foi dos próprios servidores que reunidos em Assembleia Geral com a presença da presidente da CUT/AL na manhã desta quarta-feira (09), lotaram o auditório do SINDSCAN e deliberaram sobre o ingresso não só dessa mas de outras ações judiciais. 

Vale destacar que a Assembléia aconteceu no momento em que o SINDSCAN recebeu de repasse das contribuições sindicais dos servidores via prefeitura apenas a contribuição dos servidores aposentados que representa apenas pouco mais de 10% da receita sindical. Todavia, os servidores também decidiram durante a assembléia, pagar diretamente ao sindicato até que a justiça se posicione ou mesmo, até que o prefeito volte atrás em sua decisão já que o SINDSCAN continuará mantendo o diálogo com a gestão para que tudo seja resolvido de forma amigável sem intervenção judicial.

Vários outros assuntos também foram colocados em pauta durante a Assembléia Geral, inclusive a prestação de contas dos primeiros 90 dias de mandato da atual diretoria sindical, contudo, esse será o tema da nossa próxima reportagem.