PREFEITURA DE INHAPI

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

40 milhões setecentos e trinta mil e 1 milhão cento e cinquenta mil esses são os recursos que prefeito e vereadores de Canapi irão dispor a partir de 2014.

LDO - Lei Orçamentária Anual foi aprovada por unanimidade entre os vereadores presente a sessão da ultima terça-feira (17).

Por: Marcio Martins/Central do Sertão
Crédito: Blog Canapi Agora

A partir de 1º de Janeiro do próximo ano, o prefeito de Canapi Celso Luis terá a disposição em seu segundo ano de governo, um orçamento de 40 milhões e setecentos e trinta mil reais para trabalhar em prol do município, é o que prevê a lei orçamentária anual aprovada na manhã desta terça-feria (18) por unanimidade entre os vereadores presentes, com exceção apenas do vereador Urso Biano. 

Além do orçamento municipal os edis também aprovaram o duodécimo da Câmara, estimado em 1 milhão e cento e cinquenta mil reais, o que deixa os edis em situação bastante confortável a partir do próximo ano, visto que serão aproximadamente 100 mil reais por mês de recursos públicos gastos para manter os nobres vereadores "trabalhando em prol da população e fiscalizando os atos do chefe do poder executivo".

Para se ter um ideia do que tais valores representam, principalmente no que diz respeito ao Poder Legislativo, o duodécimo da Câmara é  maior que o orçamento destinado a Secretaria Municipal de Esporte, Desporto e lazer, que disporá de 975 mil reais, 940 mil reais a mais que em 2013 quando o orçamento aprovado foi de apenas 35 mil. E para o gabinete do prefeito foram destinados 570 mil, 290 mil a mais que para 2013 quando fora aprovado 280 mil.  

Já o percentual de remanejamento da receita total do município para uso exclusivo do prefeito sem autorização da Câmara, ficou estabelecido em 50%, sobre a mesma justificativa de anos anteriores de que desta forma o prefeito não encontrará obstáculos para trabalhar de forma rápida e eficiente em defesa do desenvolvimento do município, mas em contra partida deixa a Câmara como de costume, sem autoridade para fiscalizar e acompanhar a aplicação do dinheiro público.

Nenhum comentário:

Postar um comentário