04/04/22

Internada há 11 dias no HRAS em Delmiro Gouveia, idosa de 74 anos com fratura no ombro aguarda transferência para realização de cirurgia.

 

Família afirma que foi enrolada e enganada pelos médicos do HRAS que garantiram que a cirurgia seria feita no próprio hospital. 

Por: Redação\Marcio Martins 

Familiares de uma idosa de 74 anos, moradora do município de Inhapi, procuraram a nossa equipe de redação nesta segunda-feira (04) para denunciar uma situação no mínimo revoltante vivenciada no Hospital Regional do Alto Sertão (HRAS) em Delmiro Gouveia, o qual vem mantendo internada a Sra. Eunicia de Souza Brito que deu entrada no HRAS com o braço quebrado há 11 (onze) dias e que até o fechamento desta matéria se encontra sem qualquer perspectiva de transferência para realização de cirurgia. 

Acontece que, segundo familiares da idosa, os médicos do HRAS os enrolaram e enganaram ao garantir que a cirurgia seria feita no próprio hospital, porém, os dias foram se passando até que um cirurgião disse que a idosa teria que ser transferida, que o hospital não tinha condições de realizar o procedimento cirúrgico.

“Disseram que desde o início que iriam fazer a cirurgia, que pediram o material, e, porque agora não existe médico para fazer aquele tipo de cirurgia? E por que estavam enrolando ela esse tempo todinho com ela dentro do hospital, sendo enganada?” – Desabafou uma das filhas da idosa, que também demonstrou preocupação com a saúde da mãe em decorrência da exposição a covid-19 e a infecções hospitalares. 

O que diz o HRAS 

Nossa equipe de redação, através do Jornalista Marcio Martins, após frustradas tentativas por telefone, conseguiu contato via whatsapp com a Diretora Administrativa do HRAS, a Sra. Fabíola Marques as 9:20h da manhã desta segunda-feira (04), que somente 1h20min depois de tomar conhecimento do caso, respondeu: “Estamos apurando junto aos médicos”, na sequência, questionou o Jornalista se o mesmo já havia falado com a Direção Geral. Marcio Martins respondeu que não tinha o contado da diretora e insistiu dizendo que precisava da resposta do hospital para conclusão da matéria jornalística, porém, não obteve mais nenhuma resposta. 

Ao tempo em que o Jornalista conversava com a Diretora Administrativa do HRAS, este também entrou em contato com o Serviço Social do Hospital relatando todo o ocorrido, contudo, o atendimento apenas pediu o nome da paciente, e, assim como a direção administrativa, não retornou mais o contato.   

Por fim, prestes a fechar a matéria sobre o caso sem uma resposta concreta do HRAS, o Jornalista Marcio Martins finalmente conseguiu o contato da Sra. Zulmira - Diretora Geral do HRAS e ao relatar a situação da paciente e a forma como foi atendido pela direção administrativa e o serviço social, recebeu a seguinte nota: 

“A Direção do HRAS, vem a público esclarecer que, de acordo com boletins médicos, a paciente E.S.B. de 74 anos de idade, encontra-se hospitalizada com fratura do úmero proximal do ombro. Paciente estável e já no Sistema Estadual de Regulação, aguardando vaga para transferência”.