quinta-feira, 28 de março de 2019

Prefeitura se pronuncia sobre as condições subumanas dos moradores dos Becos do "seu" Expedito e do Geral em Mata Grande.

Em nota, atual gestão municipal entendeu como pertinente as colocações da vereadora Geni e disse está trabalhando para resolver o problema que se arrasta há mais de 50 anos.

Por: Ascom/Mata Grande

São pertinentes as colocações da Vereadora Genny Alencar na Sessão Legislativa do dia 26 ao se referir ao caos instalado nas áreas dos Becos do “seu” Expedito e do Geraldo. Há um problema recorrente nas localidades há mais de 50 anos que só agora, na gestão de Erivaldo Mandu, a Prefeitura está procurando resolver estabelecendo um estudo técnico de viabilidade para apresentar projeto compatível com a situação e que seja possível de realizar. Existem projetos de desenvolvimento para a área em questão, todavia, por se tratar de uma área invadida e de Proteção Permanente, muitos são os empecilhos para colocar em prática.

​Conforme manifestação espontânea da representante do espólio da área invadida em rede social, portanto representante legal da APP em questão, já existe denuncia do caso desde 2015 junto aos órgãos competentes, como as Secretarias de Meio Ambiente e de Saúde e também ao IMA, que emitiu relatório já encaminhado ao MP, onde o processo está em andamento. Como nós, ela entende que se trata de uma questão de saúde pública e degradação do meio ambiente que prejudica não somente aos moradores do local, mas também à cidade. Há comerciantes invadindo a área e instalando redes de esgoto clandestinas, dificultando ainda mais a atuação da Prefeitura, que não está omissa, especialmente por se tratar de uma Área de Preservação Permanente que foi invadida há mais de meio século, de difícil acesso e que, mesmo com a visita frequente de Agentes Comunitários de Saúde e de Endemias para orientar as comunidades envolvidas, ainda não obteve por parte dos moradores da localidade a compreensão e colaboração sobre o descarte correto do lixo e todos os problemas decorrentes deste mau hábito. Leve-se em conta ainda as fortes chuvas que caíram recentemente, dificultando ainda mais o acesso ao local.

​Levamos ao conhecimento da nobre Vereadora – ativa no cumprimento de seu dever, embora não tenha pesquisado sobre as verdadeiras condições da área em questão, se são particulares ou públicas, se são áreas de APP , se pode sofrer ou não intervenção do município, se há algum TAC firmado, se há alguma obra ou estudo do caso previstos, por exemplo   – que as providências estão sendo tomadas para que se possa reparar o mais urgente possível todas as mazelas causadas nesta área invadida de nossa cidade, porque, como ela, o Prefeito Erivaldo Mandu é o primeiro a reconhecer que Mata Grande – em qualquer esfera ligada à administração pública – merece e vai ser tratada com dignidade e com os todos serviços públicos disponíveis para sua população.

​Ainda por se tratar de um espaço invadido há mais de meio século, é necessário que todas as forças se unam em prol do bem-estar dos moradores do local e da população de Mata Grande que, indiretamente, também passa a ser afetada.