17/06/22

Chuvas deixam escola em situação de calamidade em Tupanatinga/PE.

 

Fotos e Vídeos mostram goteiras no forro de sala de aula, piso alagado e paredes mofadas. Sem apresentar providências imediatas, secretário afirmou que escola passou por reforma em 2021 e em Janeiro deste ano.

Por: Redação\Marcio Martins 

Chuva é sempre bênção ainda que tragédias aconteçam em decorrência da ação e ou omissão do homem para com a natureza. No entanto, é lamentável, e por vezes revoltante, quando justamente pela ação e ou omissão do ser humano o período de chuvas se transforma em pesadelo ou no mínimo motivo de enorme preocupação como no caso da Escola Municipal Paulo Freire do município de Tupanatinga no Agreste de Pernambuco que desde o início das chuvas deste corrente ano, vem sofrendo com goteiras no forro das salas de aula, piso alagado e paredes mofadas conforme os vídeos e fotos em anexo enviados pela professora Cida de Hélio que trabalha na unidade de ensino e ocupa a função de Presidente do Sindicato dos Servidores Públicos de Tupanatinga. 

E foi diante desse cenário de calamidade, que o Jornalista Marcio Martins entrou em contato com o Secretário Municipal de Educação de Tupanatinga, José Ronaldo, na tentativa de descobrir o que tem ocasionado o problema, bem como qual a solução encontrada pela gestão municipal para que as crianças do Fundamental I de 1º ao 5º ano que estudam na unidade de ensino não continuem sendo expostas a situação calamitosa que se encontram em dias de chuva. 


De acordo com o secretário, o prédio onde funciona a escola não pertence ao município, mas sim a uma associação que já pediu a desocupação do espaço e que por conta disso, a prefeitura já estuda um projeto para construção de uma nova escola, ou mesmo da ampliação de outra escola do município para receber as crianças da localidade, disse ainda, que a situação de ocupação do espaço impede a prefeitura de realizar uma reforma adequada na unidade de ensino, mas, que, porém, em 2021 e no começo do corrente ano, a escola passou por uma reforma e reparos no telhado responsável pelos maiores problemas mostrados nas fotos e nos vídeos. Acontece que, devido ao excesso de chuvas, a reforma foi insuficiente, novos reparos deverão ser feitos e a bica trocada, já com relação ao mofo nas paredes e no piso, o secretário afirmou que pediria explicações à direção da escola sobre o porquê do problema tendo em vista que as paredes são laváveis assim como o piso.


É importante esclarecer que a nossa equipe de redação recebeu as fotos na última quarta-feira (15), e que não noticiou o problema antes, esperando uma resposta do Secretário até ontem, quinta-feira (16) sobre quais providências imediatas seriam adotadas para amenizar o problema da infiltração e do mofo, já que os reparos na escola não podem ser feitos em meio às chuvas e muito menos com as crianças em sala de aula. Medidas como: Antecipar o recesso escolar para a referida escola ou mesmo transferir os alunos de local até que os reparos sejam realizados foram sugeridas, porém, até o fechamento desta matéria na manhã de hoje, sexta-feira (17) não obtivemos retorno.