06/06/22

Criança caiu e precisou de atendimento médico após escorregar em corredor de escola alagada pela infiltração das águas da chuva em Canapi.

 

Com muita dor, o garoto não conseguiu se quer subir na garupa da moto do condutor que veio a seu socorro. Unidade de ensino foi reformada e entregue a menos de três meses.

Por: Redação

Na última sexta-feira (03) denunciamos o descaso total da Gestão da Educação de Canapi com a maior escola do município, a Escola Municipal Presidente Tancredo de Almeida Neves após a nossa equipe de redação receber vídeo e fotos enviados por leitores do site (relembre aqui) que mostram a escola alagada pela infiltração de águas da chuva escorrendo pela rede elétrica através das lâmpadas. Contudo, apesar da matéria e sua ampla repercussão nas redes sociais e nos grupos de whatsapp, nada foi feito pela gestão municipal, muito menos houve qualquer reação dos órgãos de fiscalização e principalmente da Câmara de Vereadores, que tem entre suas atribuições, o dever de fiscalizar.  

Todavia, sem nenhuma providência sendo adotada, a não ser o silêncio ensurdecedor da gestão municipal e da secretaria de educação, as crianças continuam correndo risco tanto de choque elétrico, quanto de quedas nos corredores. Fato que já aconteceu com pelo menos 03 alunos a cerca de 15 dias, já nas primeiras chuvas, ou seja, o problema e a negligência das autoridades competentes, ou melhor “incompetentes” é ainda maior do que havíamos noticiado, uma vez já perdura por mais de duas semanas. 

Entre os 03 alunos que escorregaram no corredor da escola, pelo menos um deles chegou a precisar de atendimento médico. De acordo com um dos funcionários que presenciou o ocorrido, após a queda, o garoto não conseguiu se quer subir na garupa da moto do condutor que veio ao seu socorro. 

Após a divulgação da primeira matéria sobre esse gravíssimo problema, alguns pais já avaliam não mandar os filhos para escola nos dias de chuva até que pelo menos o problema da infiltração seja resolvida, enquanto a maioria continuará mandando e orando para que nada de mais grave acontecer com seus filhos ou com outros alunos.