19/12/21

[MARCIO MARTINS SEM MEIAS PALAVRAS] TAXA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA: Um assalto legalizado no alto sertão de Alagoas.


Nem tudo que é legal é moral, tá aí a famigerada taxa de iluminação pública que não nos deixa mentir. Ou será que alguém acha justo os valores abusivos que alguns prefeitos do alto sertão de Alagoas e seus vereadores criaram para a população através de Projetos de Lei, onde a grande maioria dispõe de cobrança pelo consumo particular dos moradores? Ou seja, quanto maior a conta paga a Equatorial, maior a taxa de Iluminação Pública. 

Todavia, o que o nosso consumo residencial ou comercial tem a ver com o consumo da rua e sua manutenção? E pasmem! A classe política ainda tem a cara de pau de classificar mais esse imposto obrigatório ao sertanejo alagoano, de COSIP - Contribuição para Custeio dos Serviços de Iluminação Pública. Agora me digam: Desde quando podemos chamar cobrança obrigatória de "Contribuição"?

Para melhor exemplificar tamanho absurdo, na imagem que ilustra esse artigo e que vocês também podem conferir abaixo, está a conta do mês de Dezembro/2021 de um morador da cidade de Canapi que mesmo tendo sua conta classificada como "RESIDENCIAL" deverá desembolsar R$: 675,24  para a tal da Equatorial, sendo que desde valor exorbitante, R$: 114,29 é de taxa de Iluminação pública do município. É ou não é um verdadeiro assalto legalizado?


Com a palavra as autoridades competentes, aliás, incompetentes...


MARCIO MARTINS

Residente no pequeno município de Canapi localizado no Alto Sertão do Estado de Alagoas, o Blogueiro/Jornalista (RE) 511961/2009 José Marcio Rodrigues Martins, iniciou no Jornalismo Digital em 2011 com a criação do primeiro blog de notícias de Canapi na internet o "Canapi Agora". Em 2013 concluiu o curso de Jornalismo Online com certificação reconhecida pela ABED -  (Associação Brasileira de Educação a Distância) e se tornou membro associado da ABJ - Associação Brasileira de Jornalismo. Com passagem por diversos sites do Estado de Alagoas, tais como: Rota do Sertão,  Editora Guia Mais, Mais Notícias, Correio Notícias e pelo Portal Minuto Sertão do Grupo Cada Minuto onde ganhou o prêmio Evandro Cardoso de Jornalismo na categoria "blog mais acessado". Marcio Martins que este ano de 2021 completou 10 anos de Jornalismo Investigativo e Independente e que já ultrapassou a marca de 5.000 artigos e matérias publicadas, atualmente integra a equipe de redação do site Central do Sertão, é também escritor, autor do Livro IndignAÇÃO e membro efetivo da ACALA - Academia Arapiraquense de Letras e Artes, onde até o final deste ano (2021), pretende emplacar seu segundo livro, desta vez reunindo uma coletânea das GRANDES REPORTAGENS de sua carreira.

LEIA TAMBÉM!

Estrela Anônima

ATENÇÃO JOVEM! O emprego na prefeitura que você trocou pelo voto é a condenação do seu futuro. Liberte-se!

Esquema de contratação de Professores fantasmas e sem formação assombram a educação no sertão de Alagoas.

Canapi 59 anos de Emancipação & ZERO de independência política.

Dados oficiais do IBGE e do TSE revelam como se perpetuam no poder os coronéis e as oligarquias em Canapi.

Tá faltando vacina contra o vírus da picaretagem de alguns prefeitos nesta pandemia.

TAXA DO LIXO: Alguém tem que pagar o aumento absurdo nos salários da prefeita, do vice e dos secretários de Delmiro Gouveia a partir de Janeiro de 2022.

Quanto mais ladrões, mais queridos!

Quem são os playboys que mamam nas tetas das prefeituras do sertão alagoano?

OLIGARQUIAS: Não basta mudar os rostos é preciso mudar os sobrenomes.

Onde vão parar os milhões gastos nas campanhas políticas que não aparecem nas prestações de contas da Justiça Eleitoral?

 Servidores fantasmas vagueiam impunemente pelas prefeituras do sertão.

Omar Aziz e Renan Calheiros decretam que no Brasil é o rabo que tem que abanar o cachorro.

AGLOMERAÇÃO DO BEM? – Qual o limite da hipocrisia da classe política alagoana?

Você elegeu para vereador um fiscal da lei ou um baba ovo do prefeito?

TRATAMENTO PRECOCE: Por que ser contra um tratamento que tem salvado vidas quando devidamente prescrito pelos médicos?

O descaso do Poder Público com os artistas da terra