sexta-feira, 29 de novembro de 2013

MST ocupa terras às margens do Canal do Sertão, em Delmiro Gouveia.


Famílias cobram terra para reforma agrária e democratização da água. Mobilização faz parte do calendário de luta dos trabalhadores alagoanos.


Cerca de 1.500 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) ocuparam, na manhã desta quinta-feira (28), uma área no município de Delmiro Gouveia, no Alto Sertão alagoano, que fica às margens do Canal do Sertão, partição alagoana do projeto de transposição do Rio São Francisco. O objetivo das famílias é pressionar os governos estadual e federal por desapropriação de terras e cobrar um posicionamento para utilização da água do canal de forma mais democrática.

“Ocupamos a área de forma definitiva, sem previsão para desocupar. Tanto que as famílias já começaram a construir os barracos no local. Queremos negociar cerca de 2000 hectares de terras para assentar famílias sertanejas. Além disso, estamos contestando a pretensão do uso da água do Canal do Sertão, cuja expectativa é que se destine prioritariamente para grande indústria na região, em contraste com a falta de políticas públicas de acesso à água para as populações mais pobres”, falou o coordenador do MST, José Roberto.

A ocupação da área do Canal do Sertão faz parte da data simbólica em homenagem ao trabalhador rural Jaelson Melquíades, que foi morto durante uma emboscada no dia 29 de novembro de 2006. Ele era um dos líderes do movimento social que atuava na luta da reforma agrária em Alagoas.

Por: G1/AL
Crédito: Central do Sertão

Nenhum comentário:

Postar um comentário